sexta-feira, 4 de maio de 2012

Entidades discutem ações para estimular a leitura em Passo Fundo


Reunião da Comissão Municipal do Livro e da Leitura contou com a participação e palestra do Frei Beto

Foto: Leonardo Andreoli
Palestra com Frei Betto Reuniu centenas de pessoas na última quarta-feira (02/05)
A leitura e a escrita permitiram ao homem muito mais do que guardar a história através dos séculos. Por meio da literatura, o homem encontrou uma forma de manter ativo o universo imaginário que é essencial para que a vida possa continuar de forma saudável. A leitura, que muitas vezes é deixada de lado, é estimulada em Passo Fundo por diversos projetos e atividades como as Jornadas Literárias, o Projeto Livro do Mês, os Túneis da Leitura, os Largos da Literatura, entre outros. Na última quarta-feira (02/05), as diversas entidades que compõem a Comissão Municipal do Livro e da Leitura, entre elas a Universidade de Passo Fundo (UPF) e a Prefeitura de Passo Fundo, receberam a visita do Frei Betto. O encontro, no Sesc, serviu para congregar as ações em prol da literatura no município a fim de ampliar o índice de leitura, que é o maior do Brasil, com 6,5 livros por ano, por habitante.

A reunião com a Comissão do Livro e da Leitura de Passo Fundo também teve o objetivo incluir ações no Plano Municipal do Livro e da Leitura. De acordo com Maria Augusta D’Arienzo, membro da comissão pela Prefeitura, o Frei Betto foi convidado para estimular os educadores a repensarem o seu papel. “Queremos que as pessoas se envolvam no fomento da leitura nessa grande movimentação cultural que existe em Passo Fundo pela formação de leitores e também de mantermos nosso índice ou ampliá-lo”, salienta. A comissão é formada por membros da UPF, Jornada Literária, Academia Passo-Fundense de Letras, 7ª Coordenadoria Regional de Educação e a União das Associações dos Moradores de Bairro de Passo Fundo (Uampaf).

De acordo com o professor da UPF Eládio Vilmar Weschenfelder, membro da comissão pela UPF, a vinda do Frei Betto estimula o Plano Municipal do Livro e da Leitura, uma referência nacional em termos da promoção da leitura. O professor destaca que, no Brasil, os índices de leitura ainda são muito baixos. “Temos um consumo nacional de livro/ano por pessoa que não chega a dois livros. Isso faz com que o Brasil tenha que criar planos para fazer do livro instrumento fundamental de cidadania e desenvolvimento do senso crítico”, pontua.

Encontro com Frei Betto
Na passagem por Passo Fundo, Frei Betto proferiu ainda uma palestra sobre a Leitura e a Humanização no Século XXI, tendo como local o Colégio Notre Dame Menino Jesus. Durante o encontro com mais de 500 pessoas, ele destacou que foi a partir da escrita que o homem começou a organizar o seu caos interior. “É só com a escrita que o cérebro humano encontra um sentido a partir da sua própria lógica e não a partir da oralidade autoritária”, afirmou. A escrita permitiu às pessoas cultivarem o universo onírico, imaginário, que é muito presente na infância e que muitas vezes se perde na idade adulta. “A infância é muito boa porque o universo onírico supera o racional. Só que isso não é só pra infância, isso é pra vida. Agora temos o senso do ridículo e não vamos brincar de casinha, mas é preciso trabalhar o universo onírico porque na hora em que ele é cortado, você vai para a depressão, o medicamento ou mesmo às drogas. O que não dá é para viver sem sonhar, e a literatura tem esse poder de nos fazer sonhar com o futuro, o passado e o presente”, finalizou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário