quinta-feira, 3 de maio de 2012

Professora compartilha experiências de leitura em instituições europeias



Foto: Divulgação UPF
Presidente do Instituto Politécnico Castelo Branco, Dr. Carlos Maia, entre as professoras Tania e Natividade Pires
Além de estar realizando seu estágio pós-doutoral, a professora do curso de Letras da Universidade de Passo Fundo (UPF), Dra. Tania Rösing, aproveita a estadia na Europa para compartilhar experiências na área da formação de leitores. Nos últimos dias de abril, esteve no Instituto Politécnico Castelo Branco e na Universidade de Coimbra, ambos em Portugal, onde já ministrou conferências. O novo compromisso, também em Coimbra, está agendado para este dia 04 de maio, oportunidade em que palestrará sobre Leitura: área de formação transversal em todos os níveis de ensino, no Programa de Pós-Graduação Literatura de Língua Portuguesa – Investigação e Ensino.

De acordo com a professora, todas as ações desenvolvidas integram suas investigações acadêmicas do estágio pós-doutoral na Universidade de Extremadura, em Badajoz, Espanha. O tema de seus estudos é o professor universitário e seu (des)compromisso com questões de leitura e de escrita acadêmicas. “Preciso conversar com professores universitários sobre suas atividades de leitura e de e escrita acadêmicas e a performance dos alunos universitários nessas questões”, explica.

Práticas leitoras
No Instituto Politécnico Castelo Branco, instituição portuguesa que integra a Red de Universidades Lectoras, liderada pela Dra. Natividade Pires, a conferência da professora Tania enfocou a movimentação literária que acontece em Passo Fundo, promovida pela UPF e Prefeitura Municipal. O público teve interesse em conhecer a forma de organização de práticas leitoras multimidiais dirigidas à educação infantil, do primeiro ao quarto ano do Ensino Fundamental, e pôde conhecer, igualmente, os desdobramentos de uma movimentação cultural permanente que ocorre em Passo Fundo, a capital Nacional da Literatura, com destaque para as ações do Centro de Referência de Literatura e Multimeios, o Mundo da Leitura da UPF, que completa 15 anos em 2012.

No diálogo ocorrido, Tania relata a preocupação dos portugueses com a questão econômica do país, ao mesmo tempo em que demonstraram interesse pelo desenvolvimento brasileiro, pelo financiamento de ações educacionais e culturais.

Possibilidade de investigações conjuntas
Ainda no Instituto Politécnico Castelo Branco, Tania foi recebida pelo presidente, Dr. Carlos Maia. “Há um grande interesse desse Instituto em estabelecer um convênio guarda-chuva com a UPF, garantindo ações de professores e de alunos das duas instituições, desde investigações conjuntas, até a mobilidade acadêmica e docente”, salienta. Conforme ela, Maia demonstrou grande preocupação com as condições do ensino superior em Portugal, onde 50,8% da população entre 25 e 64 anos conclui o Ensino Médio contra 72,7% da média europeia. Em nível superior, apenas 23% da população entre 30 e 34 anos é diplomada, quando a meta europeia para 2020 aponta os 40%. Maia entende que o ensino superior português vai ter de tomar a seu cargo a qualificação da população ativa. Na opinião dele, o processo de internacionalização garante aprimoramento dos distintos públicos envolvidos nas múltiplas ações emergentes dos intercâmbios.





Nenhum comentário:

Postar um comentário