quinta-feira, 3 de maio de 2012

Professora da UPF realiza estágio pós-doutoral na Espanha


Objeto de estudo da professora Dra. Tania Rösing é o professor universitário e seu (des)compromisso com questões de leitura e de escrita acadêmicas

Foto: Divulgação UPF
Professora Tania (ao centro) junto dos professores Glorya Rivera e Eloy Martos Núñez
A professora da Universidade de Passo Fundo (UPF) e idealizadora das Jornadas Literárias Dra. Tania Mariza Kuchenbecker Rösing está na Espanha onde realiza estágio pós-doutoral na Universidade de Extremadura, em Badajoz. A professora estuda o professor universitário e seu (des)compromisso com questões de leitura e de escrita acadêmicas.

De acordo com ela, os professores não estão focados nas necessidades que os calouros têm sobre textos de natureza acadêmica e científica. “Eles pressupõem que os alunos são leitores, que conhecem essa linguagem nova e solicitam leituras complexas sem orientá-los sobre as características dessa nova linguagem”, pontua. Tania acrescenta que também é comum solicitarem textos acadêmicos sem orientar os estudantes sobre o tipo de linguagem a ser usada. “Isso faz com que muitas pessoas se formem em cursos superiores com dificuldades na leitura e na escrita”, afirma.

A primeira etapa do trabalho da professora Tania é composta por uma interlocução com intelectuais espanhóis, portugueses, latino-americanos, norte-americanos e brasileiros sobre o que deve ser feito pelo professor universitário nessas questões. O estágio em Badajoz foi constituído de reuniões com o professor Dr. Eloy Martos Núñez, coordenador da Red de Universidades Lectoras, integrada por 41 universidades portuguesas, espanholas e latino-americanas. Entre as brasileiras, apenas a UPF e a UNESP integram a rede. As reuniões envolveram também Glorya Rivera, Angel Munhoz e Alberto Garcia.

Sobre o estágio na Espanha, a professora relata, igualmente, a realização de reuniões e conferências que permitem uma discussão mais profunda sobre o compromisso da educação superior em estimular o aprofundamento da leitura, numa razão inversa à praticada nas redes sociais, leitura esta caracterizada pela superficialidade. “Outra questão que precisa ser refletida é a velocidade que caracteriza os tempos atuais, o que promove uma leitura também superficial, deixando de qualificar o envolvimento crítico dos leitores com os materiais de leitura se não forem preparados para tanto”, explica. A professora Tania também realizou uma conferência na Universidade de Évora sobre a experiência das Jornadas Literárias promovidas pela UPF e pela Prefeitura de Passo Fundo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário